Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

No comando: SERTANEJO GOSPEL

Das 07:00 as 08:00

No comando: JORNAL VIROU NOTICIAS

Das 09:00 as 10:00

geracao-gospel2
No comando: Geração Gospel

Das 09:00 as 11:00

No comando: Estação Gospel

Das 10:00 as 11:00

No comando: Entendendo a Bíblia

Das 11:00 as 11:25

No comando: Na Contramão

Das 11:30 as 11:55

No comando: Matando Saudade

Das 11:55 as 12:55

No comando: Top Gospel

Das 13:00 as 14:00

No comando: Encontro Gospel

Das 14:00 as 15:00

No comando: Programa 180 Graus

Das 16:30 as 16:55

No comando: Caminhos da Verdade

Das 17:00 as 17:30

No comando: Louve e Adore

Das 20:00 as 21:45

No comando: Gospel Night

Das 23:00 as 23:30

Número de cristãos assassinados por sua fé cresceu mais de 150% em 2017

Compartilhe:
Número de cristãos assassinados por sua fé aumentou 150%

Apesar da diferença de metodologia, os índices de perseguição no mundo divulgados pela Missão Portas Abertas (evangélica) são muito parecidos com os publicados pela Fundação Ajuda à Igreja que Sofre (católica).

Publicadas com uma semana de diferença, ambos concordam que 2017 testemunhou um aumento na perseguição e morte de cristãos exclusivamente por causa de sua fé. A Lista Mundial da Perseguição 2018 da Portas Abertas foi divulgada nesta quarta-feira (10).

Como faz todo ano, a missão avalia a situação da perseguição religiosa em todo o mundo e estabelece um ranking dos países onde viver a fé cristã é mais arriscado. Os números contabilizados para 2017 apontam 3066 cristãos assassinados e 793 igrejas ou propriedades de igrejas atacadas. Ao contrário de outros levantamentos, a Portas Abertas não leva em consideração os casos onde existem questões raciais, étnicas ou políticas envolvidas.

Segundo afirma em seu site “quase 75% da população mundial vive em áreas com graves restrições religiosas. Para a Portas Abertas, a perseguição aos cristãos consiste em qualquer oposição vivenciada como resultado da identificação de uma pessoa com Cristo, incluindo palavras e atitudes hostis, dirigidas contra elas unicamente por causa de sua fé em Jesus. Hoje em dia são aproximadamente 215 milhões de cristãos perseguidos nos 50 países que compõem a Lista Mundial”.

Em comparação com o levantamento de 2016, o número de mortes cresceu mais de 150%, embora tenha diminuído em relação a 2015, quando o Estado Islâmico tinha o controle de grandes extensões territoriais.

Como no ano anterior, as duas primeiras posições da lista são ocupadas pela Coréia do Norte e pelo Afeganistão, respectivamente, países muito diferentes em termos de política e estrutura social, mas com ódio similar aos cristãos.

Entre os 10 primeiros, 9 são nações islâmicas. Os norte-coreanos ocupam o alto da tabela pelo 17º ano consecutivo.

De modo geral, há pouca diferença em relação aos levantamentos anteriores, com um destaque negativo para a Líbia, nação com maior crescimento nos casos de perseguição. Outros países que tiveram aumentos significativos no último ano são Egito e Turquia.

As novidades na lista dos 50 países com maior perseguição de 2018 são Nepal e Azerbaijão. Chama atenção o crescimento no último ano da Rússia, que aprovou leis restritivas à evangelização. O país ocupa o 54º lugar no levantamento, na seção “países que merecem atenção”, onde também está Cuba (56º).

A lista oficial está disponível no site brasileiro da Portas Abertas, em portasabertas.org.br.

Mortes na Europa
Um diferencial para este ano foi que Portas Abertas contou com a colaboração do Observatório da Intolerância e Discriminação contra os Cristãos na Europa. Eles analisaram os atos violentos sofridos pelos cristãos ou pelas igrejas e instituições cristãs no continente europeu.

Surpreendentemente, foram registrados 101 ataques (profanação, vandalismo e incêndio criminoso) em igrejas e outros edifícios cristãos. Destes, 41 ataques foram registrados na França e 30 na Espanha. Os únicos dois casos de mortes de cristãos apenas por sua fé no continente foram registrados na Alemanha.

Com informações de Puertas Abiertas e Protestante Digital

Deixe seu comentário: